Dicas para aliviar o peso da mochila

PRO TESTE critica mochila pesada

Não deixe que seu filho carregue o mundo nas costas. Se levar mais de 10% de seu peso, ele pode vir a ter sérios problemas de coluna.

O peso excessivo das mochilas escolares pode representar, no futuro, problemas de coluna para os estudantes. Estudos apontam que a criança não deve carregar, em média, mais de 10% do seu peso corporal.

Caso o peso excessivo seja em razão de exigência das disciplinas escolares, os pais podem contatar a escola para buscar alternativas. Há estabelecimentos que disponibilizam armários para que o material possa ser deixado no local, evitando o transporte diário. Mas é preciso estar atento porque há estabelecimentos particulares que cobram aluguel pelo uso desses armários. Os estudantes devem ser orientados a deixar nos armários apenas o que não irão precisar nesse dia, pois há situação em que se poderá necessitar de material fora do período escolar e dificultará para fazer as lições de casa e trabalhos indicados pela escola.

Outra alternativa é usar fichário ao invés de cadernos e levar somente a última folha da matéria e um bloco de folhas para as aulas. São algumas alternativas para que as crianças não sejam futuros candidatos a apresentarem dores nas costas. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que 85% das pessoas têm, tiveram ou terão um dia dores nas costas provocadas por problemas de coluna.

Existe íntima relação entre o transporte excessivo de carga na mochila, dor no dorso e alterações na marcha (desnível na hora de caminhar). Problemas graves que devem ser evitados na infância, quando a criança está em crescimento e com a massa óssea em formação.

As sugestões da PRO TESTE para controlar o excesso de peso das mochilas é determinar que as mochilas tragam o aviso de que crianças não devem carregar mais do que 10% de seu peso. Haver estímulo para que a confecção de blocos e cadernos seja com papel de menor gramatura e capa fina. Assim como as editoras adotarem o uso de papel de menor gramatura na impressão de livros e publicações oficiais adotados pelas escolas. As escolas poderiam estabelecer horários para as disciplinas considerando não somente a disponibilidade dos professores como também a distribuição do peso na mochila do aluno a cada dia de aula. Os estabelecimentos deveriam optar por rampas ou elevadores de acesso em substituição às escadas, o que estimularia a adoção, por parte dos alunos, da mochila de rodinhas.

Dicas para aliviar o peso da mochila

  • Coloque as coisas mais pesadas junto às costas da criança, ou seja, na parte de trás da mochila.
  • Disponha os livros e outros materiais de uma maneira que não fiquem soltos lá dentro, provocando movimentos de desequilíbrio.
  • Olhe o que o seu filho leva para a escola e certifique-se de que é o material necessário para as atividades rotineiras.
  • Nas mochilas com rodas é preciso cuidado com a alça do carrinho, que deve estar a uma altura apropriada. As costas da criança devem estar retas ao puxá-la.
  • Para quem optar por mochilas com rodinhas, a alça deve estar a uma altura adequada para a criança ou o jovem, permitindo que seja puxada com uma postura correta, com as costas retas.
  • Ajuste as correias das costas e ombros de modo que a mochila se adapte totalmente às costas da criança, ficando encostada e sem folga. Uma mochila solta nas costas pode puxar o corpo para trás e forçar os músculos, além de fazer a criança curvar os ombros para facilitar o equilíbrio da pasta sem apoio.
  • O fundo da mochila deve ficar apoiado na curva da zona lombar. Nunca deve ficar a mais de 10 centímetros abaixo da região da cintura da criança.

Assessoria de Imprensa: Vera Lúcia Ramos

E-mail: imprensa@proteste.org.br

Telefones: (11) 5573-3595 r. 202; (11) 9102-3292; (21) 9419-8852.

Endereço: Rua Dr. Bacelar, 173 – cj. 52, Vila Clementino – São Paulo-SP – CEP 04026-000

Anúncios